Marcadores

domingo, 2 de julho de 2017

10 passos simples para uma comunicação mais positiva



          Quando iniciei o blog anos atrás havia entendido que a comunicação é um canal transformador da vida e da sociedade. Não à toa se chama “A comunicação como ferramenta”. Sou grata a todos esses anos de reflexão gerada no blog, que foi visto por milhares de pessoas todos os meses e que permitiu a trazer aprendizados para mim e a levar conhecimento às pessoas.    
     Tive trocas maravilhosas nesses anos todos. Sei que tenho leitores assíduos (alguns não esperavam por essa decisão), mas tenho um motivo especial para abrir mão do blog: entendi que a comunicação está dentro da gente. Não é preciso aprendê-la. É preciso entende-la, ouvi-la, como um exercício diário de observação daquilo que você comunica (e como se comunica), mas acima de tudo é importante entender a intenção por trás da sua comunicação. Com que intenção você inicia um diálogo?
        Já tratei de diversos temas aqui (quase 300 em seis anos de blog). Mas, para fechar como uma reflexão que penso ser interessante nos dias de hoje, escolhi falar sobre como tornar a comunicação mais harmoniosa e positiva.
        Existe um momento de mudança latente no mundo (quase como uma Segunda Revolução Francesa) visivelmente sentida na política. Mas, também nos discursos atuais, como o feminismo, a defesa pelo direito de expressão da sexualidade (independentemente de qual seja), a busca por um mundo novo na ciência, tecnologia etc. Muitos podem estar olhando esse processo como algo negativo, pesado demais. Comunicar palavras positivas, nesse momento, pode ser determinante para mudar o seu dia. A positividade é um comportamento que exige autoanálise, resiliência, paciência, talvez fé (dentro daquilo que cada um entende como fé). Se você realmente deseja se manter positivo, sugiro os seguintes passos, usando apenas sua comunicação.

1) Muitos podem entender que o mundo está cheio de problemas. Depende do ponto de vista. Você tem reparado quantas inovações surgiram nos últimos anos? Então, não caia na tentação coletiva de reclamar do mundo. A verbalização de coisas ruins gera, fatalmente, coisas ruins. Então, fale sobre coisas boas.

2) Nunca antes na história da humanidade foi possível ter tanta informação ao mesmo tempo. Isso gera informação e formação, mas também confusão. Olhar para dentro, se conhecer melhor dentro de suas perspectivas, entender seus limites e buscar respeitá-los evita, automaticamente, que se tenha conversas desnecessárias ou desgastes.

3) Os diversos acontecimentos do mundo também têm gerado ansiedade nas pessoas. Isso tem as tornado, às vezes, mais agressivas. Uma sugestão para o momento é: saia de perto e converse quando for realmente possível trazer o diálogo para a razão, escolhendo palavras suaves para expressar e entender o que aconteceu.

4) Cuidado com o desejo dos outros e diga  “não” sem culpa. Esse item valeria um texto inteiro, mas tentarei apresentar uma teoria sobre a “expectativa” que penso ser pertinente para gerar mais harmonia nas relações. A palavra expectativa por si só significa esperar. Querer algo. E as relações humanas também passam por expectativas ou porque alguém gerou projeções ou porque você não “leu” a pessoa como ela é. Enfim, existem vários motivos que levam a ter expectativas e quando elas não são correspondidas, às vezes, podem gerar a dor (geralmente, verbalizada por alguém em forma de decepção).  Depois de um tempo estudando a assertividade, entendi que, infelizmente, esse é o ponto em que muitas pessoas expressam sua manipulação por meio da comunicação. Quando se diz não, a maioria das pessoas não aceita. Então, mantenha-se firme em suas decisões (acredite em si), e não caia na tentação de corresponder às expectativas para se manter em harmonia consigo mesmo. Dizer não é saudável e positivo porque pode mostrar ao outro que manipulação não tem nada a ver com amor e relações onde há manipulação, não há amor. E se não há amor, não é uma situação positiva.

5) Não entre nas provocações. Conversava com uma amiga, esses dias, sobre como a energia da provocação é lotada de intenções erradas. A não ser que você seja um terapeuta em consultório (que fazem provocações pontuais), a provocação é uma comunicação feita com as piores das intenções: a de ferir. Existem dois problemas na provocação: se você não consegue falar algo sem a intenção de machucar, possivelmente existe algo que não está bem resolvido dentro de si. Então, talvez seja hora de olhar para si e não para o outro. O segundo ponto é que quem fala o que quer, ouve o que não quer. E, geralmente, quem escuta o que não quer culpa o outro pelo o que disse. Sugestão: não entre nessa roda vida. Não vale a pena, além de ser muito desarmonioso.

6) Complementando: A opinião dos outros sobre si não é relevante para sua harmonia. Respire, deixe as pessoas fazerem os julgamentos que quiserem. Se você viu que tentou argumentar algo sobre o que disseram sobre você e a pessoa continua sustentando aquela opinião (que geralmente vem acompanhada de uma intenção depreciativa) fique na sua. Você não pode mudar o que as pessoas pensam e, por experiência própria, não se importar é libertador. Cada um que resolva seus problemas de projeções, amor ou a falta dele. Além disso, só vamos trazer mais paz ao mundo quando cada um se propor a resolver a si mesmo e não ao outro.

7) A maledicência existe e é possível conviver com ela. Não gosto de usar palavras duais: bom ou ruim, velho ou novo. Mas, vai servir para ilustrar esse caso: alguém fala mal de você e você fala para a pessoa que descobriu o que disse e, então, o(a) maledicente nega, lhe chama de exagerado(a) e começa a falar mal de você (de novo e por trás, rssss). Ninguém gosta de se sentir uma pessoa ruim, mas o “mal” existe dentro da gente, certo? Mais uma vez, não se importe. As pessoas que são maledicentes são percebidas como tal e vai, de cada um, entender em que momento faz isso, de que maneira que faz, e por que faz.

8) Tente ser paciente. Claro que a maioria das pessoas está passando por conflitos internos muito difíceis. Mas, algumas pessoas realmente estão precisando de ajuda. Tente ser compassivo. Se não conseguir falar uma palavra acolhedora, apenas escute.

9) A sua comunicação presencial não acompanha a velocidade do seu smartphone. Se você tentar se comunicar como faz pelo Whatsapp talvez crie ruídos. Por isso, esteja presente em qualquer diálogo, abstraindo as respostas que terá, buscando entender e ouvir o que o outro está dizendo, efetivamente. Só assim conseguirá formular um argumento coerente.

10) A comunicação mais positiva vai muito além do que compartilhar frases bonitas no Facebook. Essa pode ser sua intenção: tornar a sua timeline mais bonita, inspiradora para as pessoas que estão a seu redor. Mas, a positividade vem do seu coração, da forma como você se estuda, se respeita, se compreende, da maneira como se harmoniza. Somente quando se olha com positividade (e é fiel a si) é que irá gerar positividade a seu redor. 


Quero deixar expresso aqui, aos milhares de leitores de todos esses anos, minha profunda gratidão. Que você encontre a paz, o amor, a força que deseja, a confiança em si mesmo(a), e a certeza de que tudo dará certo. Namaste. 

Ainda que não irei mais publicar o blog, os cursos da DNA Comunicativo estão a todo vapor.  Aliás, o próximo está chegando:  







0 comentários:

Postar um comentário