Marcadores

Cursos

Treinamento para falar bem na mídia, palestras, reuniões e vídeo aulas.

Comunicação como ferramenta

Conheça os benefícios de uma comunicação mais eficiente.

quarta-feira, 31 de maio de 2017

O urgente!



        O urgente é algo para ontem e que se faz com muita pressa para se chegar a algum lugar. Dirige-se com pressa, come-se com pressa, vive-se numa correria danada.
        Você já reparou que quando você pergunta para as pessoas como elas estão, geralmente a resposta é: “corridas”? Mas, afinal, o que é corrido para você? Por que tudo parece tão urgente?
        Viver uma vida repleta de experiências pode ser uma delícia e isso faz ocupar o seu dia. Nunca antes na história da humanidade (adoro essa frase!) foi possível ter tantas experiências ao longo de um dia: fazer crosfit às 6h, trabalhar o dia todo, fazer happy hour, ver amigos, ir no cinema. Sociabilizar e trabalhar são palavras de ordem no século XXI.
        Mas, por que você precisa de tantas tarefas no seu dia-a-dia? E de que maneira isso afeta você mesmo? Não é preciso nenhum estudo para comprovar que as pessoas andam estressadas e tornando tudo muito urgente: tenho que chegar com urgência na manicure, preciso com urgência comprar um vestido! É mesmo?
A verbalização das urgências nada mais é do que aquilo que as pessoas estão sentindo. E, fatalmente, toda essa urgência irá atrapalhar sua comunicação e, profundamente, sua vida como um todo. Afinal, “correr com a vida” significa, muitas vezes, não estar presente, não viver um determinado momento. Estar na urgência implica em se importar quase sempre com o que vem depois, sem curtir o que está fazendo. E, na comunicação, isso irá refletir em diálogos sem muito entendimento, sem presença, sem verdade. Bom, isso talvez não seja importante para você agora. Mas, quando se passa um período de tempo vivendo o que vai acontecer depois, sem entender o agora, talvez se perceba o tempo jogado fora, como se não tivesse vivido.
Estar atarefado é comum no século XXI, mas acima das urgências existe o agora. Como você quer realizar suas atividades? Como se quer viver os encontros da vida? Como você deseja realizar seu trabalho? Como você quer comunicar sua vida, seus sentidos, seus sentimentos, nesse momento?
        Pense sobre isso. Talvez a vida seja mais do que urgências.






domingo, 14 de maio de 2017

Alegria é papo sério!

         Diz a música de João Gilberto que “ser alegre é melhor do que ser triste”. Durante muito tempo os brasileiros foram o símbolo dessa música. Havia uma esperança no ar de que coisas boas iriam acontecer. Não sei quanto a você, mas eu tenho percebido que a leveza do brasileiro anda em baixa.
        Ahhh, também, com essa política! -  você vai me dizer. Então, preciso lhe dizer algo: sempre haverá (e sempre houve) momentos históricos políticos que geraram reflexão e tensão. Lembro de minha vó contando da época da Segunda Guerra. Eu mesma presenciei momentos estranhos da política brasileira como a Era Collor, por exemplo. O que quero dizer é que a política, bem como a economia, bem como inúmeros assuntos que pautam a vida das pessoas sempre existiram e sempre existirão. Mas, a forma com a alegria foi deixada de lado na vida das pessoas para dar vazão aos “problemas” é que tem se tornado um fato a se observar. Não quero dizer que é preciso se acostumar com os momentos ruins ou difíceis. Mas, quanto valorizar esses momentos em vez da alegria?
        E falo isso porque, desde a Antiguidade é sabido que uma palavra falada mil vezes é acolhida como verdade. E existe a verbalização constante de que as coisas estão muito ruins, principalmente nas redes sociais e também na vida "real".  Minha cabeleireira comentou, por esses dias, que tem saído cansada do trabalho porque tem dias em que os clientes só reclamam.
       Reclamar é uma opção de vida. É possível sim optar pela tristeza, acreditar que o mundo está piorando e também fazer parte de um eco coletivo de indignação.
        Ou, você pode optar em olhar as coisas de uma perspectiva mais positiva e com alegria. Não estou dizendo que é a maneira correta, pois não existe maneira correta de se viver. Existem possibilidades.
        Gostaria de propor que a verbalização (e a demonstração não verbal) da alegria pode ser um caminho para tornar tudo mais fácil. Digo que a tensão, a irritação, a agressividade, trazem como únicos resultados imediatos a tristeza. Ninguém gera nada de bom quando verbaliza aos outros suas tensões, suas frustrações, suas irritações. Mas, você já percebeu que quando o ambiente está muito tenso e alguém faz uma piada, a situação muda? 
        Lembro-me de uma turbulência meio feroz que peguei uma vez e o piloto chegou a anunciar que iria fazer um pouso de emergência. Parte do avião estava muda e outra parte chorava. E uma menininha de uns 3 anos resolveu gritar: Brasil ilililil. Aquilo fez o avião todo cair na gargalha, mesmo em queda evidente. Nada aconteceu com o avião (pois estou aqui, rsssss) e nem foi preciso fazer um pouco de emergência. Pelo menos para mim, tornou um momento difícil em algo a ser lembrado até com certa alegria.  
         Para isso, é preciso saber o que lhe deixa alegre. O que é, de verdade, alegria para você? Como é possível deixar um "mundo melhor" para os filhos e próximas gerações se não se sabe mais o que é a alegria? Torço para que você encontre, agora mesmo, a alegria que está dentro de você e a espalhe mil vezes. E, então, veja o que irá acontecer.


domingo, 7 de maio de 2017

Como você está hoje?


        “Como você está hoje” – pergunta uma moça com uma voz delicada, mas firme. Na ocasião, não sabia responder de prontidão.       E, então, a moça, sem se expressar, deu a entender de que era para eu continuar falando. Lembro-me de ter falado dez minutos sem parar. Ao final, ela disse: “é tudo isso o que você sente hoje”.
        Ela não havia feito qualquer julgamento sobre o que eu disse. Apenas ouviu e ponderou sobre o turbilhão de coisas que eu havia dito. A frase nunca mais saiu de minha cabeça porque foi muito válida e a uso todos os dias, desde então.
        Saber como se sente é um daqueles atalhos para seu dia se tornar melhor. E não falo isso porque acho que é um segredo daqueles que só pessoas de alta performance podem ter conhecimento. Mas, porque ao fazer essa reflexão é possível trazer mais maturidade para sua comunicação. De que maneira?
        Assumir os seus sentimentos e olhar para tudo o que está dentro do seu coração, seja ódio, rancor, medo ou alegria sem receio do que terá como resposta, coloca o ser humano como um observador de si mesmo. E, ao fazer isso, traz uma consciência de que o outro não é responsável por esse sentimento que lhe acompanha. Imagine que você saia de casa já sabendo que está irritado(a). Antes mesmo de chegar no seu trabalho, alguém lhe dá uma fechada no trânsito. Pronto! Desce do carro, já começa um bate-boca. Chega ao trabalho cuspindo marimbondo, desconta na primeira pessoa que vê e torna seu dia um inferno. Não lhe passou pela cabeça que você já saiu de casa assim e que você está, apenas, comunicando, o que você está sentindo?
        Existem dias em que há tudo para dar errado: sim, acidentes de trânsito acontecem; você pode chegar atrasado em qualquer lugar devido à chuva; você pode perder o avião porque não chegou no aeroporto. Mas, tudo isso acontece porque, antes de tudo, o ser humano é falível, então, você pode errar, seu taxista pode errar. Mas, também existem situações que não estão no controle de ninguém como, por exemplo, um avião pode não ter condições climáticas de pousar, por isso não chega até o aeroporto onde você está. Ou seja, existem muitas coisas que podem dar erradas no seu dia e tudo bem. Nem tudo o que se planeja dá certo.
        E, lá no fundo, não são essas coisas que causam tamanha irritação (já percebeu a quantidade de pessoas irritadas no Facebook?). É o que está no coração de cada um, lotado de bons ou maus sentimentos, repleto de histórias felizes ou dolorosas e que são traduzidas na maneira de se comunicar. Se não há “conserto” para os erros e atrasos do dia a dia, há conserto para tornar sua comunicação mais tranquila, ainda que seu coração esteja triste, chateado, irritado. E o primeiro passo é, assim que se levanta, se questionar: “como eu estou hoje?” Feito isso, é hora de entender que você pode guardar seu estado de espírito para você, sem ficar desgastando relações ou tensionando as situações ou espalhando graça (caso esteja em estado de graça) para todos os cantos, afinal, quem precisa lidar com o seu estado de espírito é você. Mas, caso não esteja bem, é importante pedir ajuda, afinal nunca é demais contar com um ombro amigo. 
        Não espere que as relações tensas lhe mostrem qual é o reflexo de sua comunicação, afinal, você pode se perceber antes mesmo de abrir a boca.