Marcadores

Cursos

Treinamento para falar bem na mídia, palestras, reuniões e vídeo aulas.

Comunicação como ferramenta

Conheça os benefícios de uma comunicação mais eficiente.

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Destensione!


       É muito interessante perceber a sensação de agitação nos dias de hoje. É como se a maioria das pessoas estivesse correndo uma maratona e não pudesse parar um único segundo sequer.
       Evidentemente, fazer tudo ao mesmo tempo (ou tentar, pelo menos) pode ser excelente para trazer resultados, como no trabalho, por exemplo. Por outro lado, pode atrapalhar uma das ferramentas mais utilizadas no seu dia a dia: a comunicação.
        Você já reparou o que comunica na sua rotina? E a maneira como realiza comunicações simples como fazer pedidos, estabelecer ordens ou simplesmente comentar sobre algo? Pois bem, posso dizer que nem sempre a comunicação acompanha os atos de cada um. Diante de um cenário atual em que tudo parece muito urgente, fatalmente a comunicação será a primeira a ser prejudicada. Explico: se você está correndo demais, possivelmente nem irá perceber o que está falando a outra pessoa. Além disso, existe uma tendência (não digo que é com todos, por isso chamo de tendência) de que durante uma situação de estresse ou mais tensão a comunicação também seja bastante tensa.
        E aí, mora o perigo! Quanto de tensão você está transmitindo por meio da sua comunicação? Palavras que surgem pesadas demais, respostas às vezes automáticas, tom ríspido e até mal educado. Veja, estar tenso não é um estado natural do ser humano. Se o estresse anda lhe pegando ele será verbalizado de alguma maneira. Então, talvez seja hora de começar a observar algumas coisas.
        A primeira delas é: será que você sabe o que é urgente? Para realizar bem tarefas e estar presente durante a realização das mesmas é necessário fazer escolhas. Então, uma sugestão é jogar fora àquilo que não for urgente. Repasse, delegue.
        A segunda é: não culpe ninguém pelas escolhas que fez. É muito comum, quando diante de uma situação tensa, apontar o dedo para alguém. Não se coloque como vítima do mundo e das situações, afinal, você escolheu sua vida, sua rotina. Toda vez que dou curso de comunicação assertiva falo algo brincando que no fundo tem uma verdade: resolva sua afetividade. Isso vai lhe ajudar a economizar um tempo incrível pelo simples fato de que você para de culpar os outros por aquilo que não consegue resolver consigo mesmo e isso ajuda na sua comunicação.
        Por isso, observe como você amanhece. O terceiro ponto a se observar é: escute seus sentimentos antes mesmo de colocar seus pés no chão. Será que ando irritado(a) demais? Essa auto percepção  ajuda a entender que o problema no trabalho, por exemplo, pode não ser aquela colega que você não gosta, mas a maneira como você olha para ela. Por que será que ela lhe incomoda tanto? Talvez toda a raiva que você sinta dela esteja dentro de você e não nela. Observe-se todas as manhãs.
        A quarta coisa a ser pensada é: busque ajude. Não fique pensando que todas as pessoas sabem o que estão fazendo. Ninguém sabe ao certo. Mas, ficar tendo auto piedade de si mesmo porque você não consegue resolver seus conflitos é desolador. É praticamente um autoflagelo. Bom, não sei o quanto você quer ficar nessa situação, mas, honestamente com existe tão pouco tempo livre nos tempos hipermodernos, é melhor aproveitar a vida tendo bons pensamentos, bons momentos, boas companhias, bons papos e ajuda nunca é demais.
        O quinto ponto é: destensione. Sei que não existe essa palavra, mas ela é ótima.  Destensionar significa usar uma palavra mais leve quando o clima está tenso. É não levar em conta o comentário besta da prima distante no almoço em família. É rir por dentro quando um colega estiver se descabelando por nada. É entender que mesmo numa urgência é possível parar, respirar, analisar e agir. Já viu bombeiro agindo no desespero? Não existe! Eles são treinados justamente para assumir uma postura de tranquilidade quando há uma emergência (e não apenas urgência).
        Destensione aquilo que fala, a maneira como enxerga as coisas. Destensione seus papos (pare de ficar reclamando do clima, do salário), destensione suas relações (evite pessoas que não acrescente).  E, então, relaxe e aproveite seu dia. Afinal, você merece!



domingo, 12 de fevereiro de 2017

Assumindo sua comunicação



        Como o primeiro post do ano, geralmente, coloco as boas-vindas aos navegantes. Então, seja bem-vindo(a)!
        Percebi, logo no início de 2017, que esse seria um ano em que a comunicação deve estar presente em todos os momentos. Não é nenhuma visão futurística de 2017. Apenas uma constatação e, por isso, talvez relevante.
        Assim como o ano de 2016 pediu muita responsabilidade nos atos, é bem provável que o cenário seja o mesmo esse ano. E responsabilidade geralmente é traduzível por meio da comunicação.
        Por isso, estar consciente de tudo aquilo que fala antes, durante e depois de cada momento vivido pode fazer toda a diferença para o que se quer “plantar” para esse ano. Que todos estão vivendo momentos de muita agitação, isso é um fato. No entanto, é preciso estar presente, atento, reflexivo sobre as palavras que deseja proferir.
        Não falo, no entanto, do falar robótico ou manipular as pessoas, como quem tem uma palavra calculada. Imagino um falar com mais parcimônia, mais reflexivo, dosando as palavras, com menos paixões para que seu diálogo possa efetivamente contribuir.
        E, penso cá com meus botões que é hora de assumir a maturidade na comunicação. Por isso, a sugestão que dou como blogueira comunicadora é: reflita sobre o que você deseja comunicar, no como deseja comunicar, nas palavras que escolhe para traduzir seus sentidos para não “colher espinhos” ou raivas. É evidente que os conflitos serão inevitáveis. Mas, torço para que, então, seus debates sejam realizados com sabedoria e discernimento.
        Que esse seja um ano das comunicações claras, das traduções simples, dos significados alcançados, com menos grosserias, menos ofensas, menos provocações desnecessárias, menos palavras que não irão contribuir. E que, se possível, as palavras reflitam o que está no coração de cada um. 
        Que a comunicação mais efetiva lhe acompanhe em cada minuto!