Marcadores

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Onde não puderes amar não te demores

         

      “Onde não puderes amar não te demores” é uma daquelas inúmeras frases que aparecem, todos os dias, no Facebook. Alguns atribuem o pensamento à Frida Kahlo, outros à atriz italiana Eleonora Duse. Não importa muito da onde vem. Mas, sim o que ela deseja transmitir.
        A frase é impactante e pode ser interpretada de inúmeras maneiras. Vou abordar um ângulo que tem a ver diretamente com a comunicação assertiva. Depois de alguns anos trabalhando com o tema cheguei à conclusão de que a comunicação é o reflexo imediato da maneira como se olha para as relações interpessoais e para o amor. Gosto de afirmar que “comunica-se aquilo que está em seu coração”, que também parece uma frase de efeito (mas de papel de carta da Hello Kitty, rssss) e que é pura verdade. A comunicação é o resultado daquilo que cada um consegue traduzir dos seus sentimentos em palavras.
        Por isso, quando alguém diz que “onde não puderes amar não te demores”, talvez esteja querendo falar da questão mais importante das relações interpessoais, que é a maneira como se demonstra o amor por meio daquilo que se diz. Particularmente, entendo assim “se você não consegue depositar seu amor aqui, não insista. Procure relações de amor verdadeiro.” E existe uma grandiosidade nisso (e aí que entra a assertividade) porque é responsabilidade de cada um olhar para seus próprios sentimentos e ser verdadeiro com aquilo que ama ou deixou de amar (e ainda, verbalizar essa “verdade”).
        E isso pode ser aplicado a qualquer situação. Por exemplo, se você não consegue amar mais um amigo, por que manter a imagem de amigo? Se não consegue mais amar um serviço que contratou, por que não dizer a verdade (de que não está feliz com o serviço)? Existe muita grandeza quando se é fiel a seu coração. Não é preciso amar efetivamente a todos e a tudo. Nem sei se é possível isso. Mas, é possível sim prestar atenção onde está o amor e como se verbaliza esse amor. Ser honesto consigo mesmo sobre a sua afetividade é uma das maneiras mais fáceis de colocar a tão famosa frase em prática.
        E é muito interessante também quando você percebe que não há mais amor (e nem o mesmo cuidado) dos outros para contigo. Evidentemente, as pessoas querem ser amadas eternamente. Mas, não existe nenhuma troca justa quando se está numa relação onde alguém não tem amor para lhe dar ou você também já não carrega mais o amor no seu coração pelo outro. Um exemplo disso são as relações desgastadas de trabalho que se tornam cada vez piores quando já não há mais amor naquilo que se faz e, consequentemente, atingirá as relações interpessoais do trabalho.
        Então, numa Era em que o tempo é escasso é preciso entender onde estão suas verdadeiras relações de amor, pois a frase “onde não puderes amar (seja porque você não ama mais ou porque não é amado) não te demores” se tornou cada vez mais necessária. 

p.s: faça os cursos on-line da DNA Comunicativo: http://dnacomunicativo.com.br/produtos/



0 comentários:

Postar um comentário