Marcadores

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

O que é urgente para você?



                A urgência dos dias, num fôlego incessante para se cumprir “as coisas” parece um estado de loucura sem fim. “O dia está corrido”, ou “a vida está com pressa” são frases que se escuta de quase qualquer pessoa em vida profissional ativa.
        Até mesmo àqueles que ainda não tem uma agenda profissional, como as crianças, parecem estar estafadas com o todo. Ou ainda aqueles que deveriam descansar sentem uma certa correria. Bom, ter o que fazer é um senso comum entre as pessoas, na atualidade.
        Parte desse discurso da vida estafada está no próprio discurso. Quanto mais possibilidades existem de evolução de desenvolvimento tecnológico (que, de forma geral, facilitam a vida) mais existirá a possibilidade de se ter o que fazer. Para exemplificar isso, vou contar uma história da época de quando comecei no jornalismo (tipo, uns 17 anos atrás). Lembro-me (vou mudar a pessoa no texto - de terceira do singular para primeira do singular -  porque como sou a dona do blog me permito fazer isso) quando entrei numa redação a primeira vez, o fax era o instrumento mais desejado da época. Já existia internet, claro, mas, não existia a banda larga. Então, como estagiária, eu era escolhida para ir pegar o fax da “Reuters” que traziam as notícias internacionais. Literalmente, em determinada hora do dia, eu ficava ao lado do fax e esperava a notícia chegar. Parecia um milagre aquela máquina imensa cuspindo informações que vinham do outro lado do mundo. Sei que essa história soa bizarra nos dias atuais. Atualmente, a notícia é feita de qualquer lugar por um celular, por qualquer pessoa.
        O que quero dizer com isso é que o modelo de se comunicar mudou mais em 20 anos do que em 20 séculos. E isso faz com que se tenha que fazer adaptações em relação à própria comunicação. E, talvez, a primeira delas é entender o que é urgente. Quando se tem pessoas lhe acionando pelo Whats, Facebook, pela intranet da empresa, pelo telefone, celular, e mais algum aplicativo que deve existir, a vida se torna URGENTE! Urgente em caixa alta mesmo. Tudo parece chamar a atenção imediatamente. O fato é que reagir a todos esses impulsos deixa qualquer pessoa louca. Afinal, é como se você passasse boa parte do seu dia dando respostas. E, não quero parecer mais louca ainda, mas é isso mesmo que está acontecendo.
        Então, lidar melhor com a urgência é um aprendizado (meu, inclusive) para lidar com as novas possibilidades de comunicação.  E, se fizer esse ajuste é possível ter mais tempo para resolver o que for preciso.
        Depois, acredito também que há um discurso muito ruim no ar de que está tudo muito difícil e pesado. Minha avó conta uma história muito interessante que repasso para frente. Ela diz que quando era mocinha, percorria 4 quilômetros à cavalo para dar aula, embaixo de sol ou chuva. Já pensou em fazer isso uns cinco anos da sua vida, sem reclamar? Na época da minha avó era natural montar em cavalos.  Então, tenho uma teoria de que ao tornar a vida mais fácil, às vezes, não se percebe os benefícios. Por exemplo, você não precisa andar à cavalo, mas se tem carro reclama do trânsito. Se não tem carro, reclama do ônibus. Se tem trabalho reclama. Se não tem, reclama. Então, talvez seja necessário observar melhor o momento para avaliar o que é que de fato atrapalha seu dia.
        E para entender isso, não basta classificar “isso é urgente, isso não é”. É preciso parar mesmo. Observar o que é urgente para seu coração, para seu momento, para sua vida, para sua alegria. Uma sintonia que exige presença e não urgência para lidar melhor consigo e, simplesmente, deixar o urgente para quando realmente for urgente.
        Então, lhe pergunto: “o que de fato é urgente para você?”



0 comentários:

Postar um comentário