Marcadores

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

A lista do seu coração

       


       Quando chega o final do ano, geralmente fazemos aquela lista interminável de “coisas” que queremos para o ano seguinte. E comunicamos nossos desejos mais profundos ou mais superficiais mesmo.
        Não há nenhum problema em querer coisas, afinal é isso que nos mantém vivos. Observo, no entanto, que às vezes a lista de desejos nem sempre nos leva a sentirmos de fato realizados. Você já deu uma olhadinha em sua lista de desejos? Então, convido você a fazer esse exercício antes mesmo de iniciar a sua nova lista do que quer para o ano que vem. E, para tanto, é preciso entender melhor o que está em seu coração.
        Alguns vão defender a ideia de que a razão é o que nos rege. Pode até ser. Mas, lá no fundo, nosso coração é o que nos leva a optar por esse ou aquele caminho. Quando ouvimos apenas nossa razão durante uma escolha podemos nos sentir enganados e até mesmo traídos por nós mesmos! “Como não percebi tal coisa antes?” Vou trazer um exemplo: conheci uma pessoa que tinha um sonho de fazer um curso fora do país. Passou no teste e foi. Até aí, tudo bem! Mas, não se sentia feliz. Então, perguntei por que se sentia infeliz já que estava realizando o sonho de sua vida e a resposta foi direta: “fiz isso racionalmente porque era bom pro meu currículo. Lá no fundo, queria estar perto dos meus amigos e familiares.” Adivinhe o que aconteceu? A pessoa não concluiu o curso e voltou para perto dos amigos.
        Não há escapatória! Por melhor que seja o planejamento de sua vida (ter um trabalho incrível, um salário bacanão, um namorado bonito, um carro do ano) o desejo somente será uma realização, de fato, quando passar pelo crivo do seu coração. Então, é hora de se comunicar verdadeiramente com ele.
        Antes de fazer isso, preciso adverti-lo(a): não é assim que a sociedade entende as coisas. As pessoas acham que você deve ser isso ou aquilo e cumprir expectativas o tempo todo. Bom, diante do exemplo acima, não preciso dizer que a felicidade não reside em “cumprir padrões.” Tenho certeza que você (assim como eu) já fez meia dúzia de coisas na vida apenas para agradar aos outros. Então, pergunto-lhe: o que lhe faz feliz?
        Sugiro que até o final do ano tire um tempinho para você e anote num caderno suas lembranças mais felizes. O que lhe fazia feliz cinco anos atrás? É o mesmo que lhe faz feliz agora? Seu coração quer jogar futebol? Quer fazer aula de ballet? Quer estar perto de amigos queridos? Quer um filho(a)?
        Anote, sem receio, do que virá! E comunique-se verdadeiramente com seu coração. Assim, sua lista tende a ser um caminho um pouco mais fácil pra felicidade. Lembro-me de uma frase de um livro de Elizabeth Gilbert, em que ela dizia algo assim: “se você tiver coragem de largar tudo aquilo que é confortável e sair em busca da verdade, ela não lhe será negada.”

        E, isso, caro(a) leitor(a) somente seu coração lhe dirá! 

p.s: aprimore sua comunicação fazendo os cursos da DNA Comunicativo.


Your heart’s list

        When it’s the end of the year, we usually do that endless list of “things” we want to the next year. And we communicate our deepest wishes or even more surperficial.   

        There are no problem to want things, after all it’s what makes us alive. I observe however that sometimes our wishes’ list not always take us to feel performed. Did you see your wishes’ list already? So, I invited you to do this exercise before you do your new list for the next year. And is necessary to understand what is in your heart.

        Some will defend the idea that the reason is what governs us. Maybe it is. But, in the deep, our heart is what takes us to decide for this or that way. When we listen only to our reason in a decision moment, we can feel cheated and even betrayed by ourselves! “How I didn’t realize this before?”. I’ll take an example: I met a person who has the dream to study in another country. He passed in the exam and went. Until then, ok! But he wasn’t happy. So I asked him why he was unhappy once he was living the dream of his life and the aswer was direct: “I did this rationally because was good to my curriculum. In the deep, I wanted to be close of my family and friends”. Guess what happened? This person gave up and came back to be close of his friends.

        There is no scape! No matter how good is your life planning (have an incredible job, an awesome salary, a handsome boyfriend, the car of the year) the wish just will be an achievement indeed when it pass to the heart approval. So it’s time to truly communicate with it.

        Before you do that, I need to warn you: it’s not like that the society understands things. People find you need to be this or that and to meet expectations all the time. Well, in front of this previously example, I don’t need to say the happiness isn’t in “meet standards”. I’m sure you (as like me) have done already things just to please others. Then, I ask to you: what makes you happy?

        I suggest that until the end of the year, you take a time to yourself and take note of your happiest memories. What used to make you happy five years ago? Is it the same thing that makes you happy now? Does your heart want to play soccer? Does it want to take ballet class? Does it want to be close of dear friends? Does it want a child?

        Write without fear of what will come! And truly communicate with your heart. Thus your list tends to be a little easier way to happiness. I remember a phrase of Elizabeth Gilbert’s book, it says something like that: “if you have the courage to leave everything that is confortable and go out in search of the truth, this won’t be denied”.

        And this, dear reader, just your heart will say!



Bruna Gonçalves. 23 anos. Redatora publicitária e marketing digital. Faço freelas de conteúdo e de tradução. Pode me encontrar também no blog Não Sei se é Fome ou Tédio ou por e-mail: brunalvgoncalves@gmail.com


Bruna Gonçalves. 23 years old. Copywriter and digital marketing. Freelances in copywriting and translation. You can find me in Não Sei se é Fome ou Tédio’s blog or by e-mail: brunalvgoncalves@gmail.com



0 comentários:

Postar um comentário