Marcadores

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Faça por você!



        Que a comunicação está em todos os momentos da sua vida, isso você já sabe! Repare um pouquinho, desde quando você se levanta até o momento em que vá dormir, está conversando com alguém. No trabalho, por exemplo, em algumas funções os profissionais passam até 90% do seu tempo dialogando.
        Até aí, tudo bem. Nenhuma novidade. Mas, você já reparou na maneira como as pessoas “tratam” sua comunicação? Qual é a dose de atenção que você confere a sua comunicação? Falo isso porque, volta e meia, aparece alguém pedindo aquela “mãozinha” para resolver seu problema de comunicação. Escuto atentamente o que a pessoa está falando (ou leio atentamente o e-mail de pedido de ajuda).
        Em alguns casos, percebo que alguns problemas de comunicação são, na verdade, dificuldade em ser assertivo. Mas, existem aqueles também que requisitam uma ajuda para resolver o problema de Oratória. Já tive casos da pessoa especificar que não quer treinar a sua imagem ou voz ou postura. Como melhorar sua Oratória, então?
        Diante de casos interessantes comecei a perceber que nem sempre as pessoas querem “trabalhar” sua comunicação, mas fazer com que alguém a resolva por si. Seja um problema de assertividade ou de Oratória, geralmente faço uma indicação de leitura ou sugiro exercícios para a pessoa fazer em casa (como se gravar palestrando, por exemplo). E, para minha surpresa, já recebi respostas como: “achei que você podia fazer algo por mim”.
        “Não, neste caso não posso. Você tem que fazer por você” - respondo. Isso porque a comunicação não é um trabalho que possa ser terceirizado. Claro que de vez em quando até eu tenho vontade de pedir pra minha mãe resolver umas dificuldades minhas, do tipo, apresentar banca em universidades. Mas, logo entendo que esse é um ponto da minha comunicação que eu preciso trabalhar mais.
        Portanto, ter consciência de que você possui dificuldades de comunicação é o primeiro passo para resolvê-las.
        O segundo é entender que por melhor que seja o curso que você faça (Oratória, Media Training, Apresentações Fantásticas, Comunicação Empresarial, Assertividade), o resultado depende de você e do quanto você treinar sua comunicação.
        O terceiro passo é entender que nem todo obstáculo de comunicação se resolve do dia para a noite. Você terá que treinar e treinar e treinar e se permitir errar e ter paciência.
        O quarto é se esforçar um pouquinho mais: leia a respeito do assunto, nutra-se de artigos interessantes, cursos bacanas e de profissionais com experiência.
         E o quinto é sempre acreditar na mudança. Já vi casos de pessoas muito tímidas que hoje são palestrantes ou pessoas que tinham muita dificuldade de dar opinião e que hoje são chefes. Mas, sabe qual o diferencial delas? Fácil! Elas não esperaram que fizessem por elas. Simplesmente, fizeram acontecer! 

p.s: quer melhorar sua comunicação? Faça os cursos da DNA Comunicativo:


Do for yourself
        That communication is in all your life moments, you know already. Note a little, since you wake up to the time you go to spleep, you are talking to someone. At work, for example, in some roles, professionals spend till 90% of their time dialoging.
        So far, it’s okay. No news. But, did you notice the way how people “deal” with their communication? What is the attention’s dose you give to your communication? I said that because, every now and then, someone ask me a little help to solve his communication problem. I carefully listen to what the person is saying (or carefully read the e­mail requesting help).
        In some cases, I realize that some communication problems are indeed difficulty to be assertive. But there are also those that requests help to some oratory issue. I had some cases that the person specify that doesn't want to practice his image, voice or posture. How will improve his oratory then?
        In front of interesting cases, I started to notice that not always people want to “work” their communication, but make someone solve for them. Being an assertive problem or oratory issue, generally I do a reading indication or suggest exercises to the person to do at home (like record himself lecturing, for example). And, to my surprise, I already receive answers like “I thought you could do something for me”.
        "No, in this case I can not. You have to do it for yourself "­ I say. This is because the communication isn’t a work that can be outsourced. Of course from time to time until I wish to ask my mom to solve some of my problems, like present examining board in universities. But as soon I understand that this is a point in my communication that I need to work harder.
        Therefore, be aware that you have communication difficulties is the first step to solving them.
        The second is to understand that no matter how good the course you do (Public Speaking, Media Training, Fantastic Presentations, Corporate Communications, Assertiveness), the result depends of you and how much you train your communication.
        The third step is to understand that not every communication obstacle is solved from day to night. You will need to train and train and train and allow yourself to make mistakes and be patient.
        The forth is to work a little more: read about the subject, nourish yourself of interesting articles, cool courses and renowned professionals.
        And the fifth is always believe in change. I've seen cases of very shy people who are now lecturers or people who had a hard time giving opinion and that today are leaders. But do you know what is their differential? Easy! They didn’t expect to someone do it for them. Simply made it happen!

Translator:

Bruna Gonçalves. 23 anos. Redatora publicitária e marketing digital. Faço freelas de conteúdo e de tradução. Pode me encontrar também no blog Não Sei se é Fome ou Tédio ou por e-mail: brunalvgoncalves@gmail.com


Bruna Gonçalves. 23 years old. Copywriter and digital marketing. Freelances in copywriting and translation. You can find me in Não Sei se é Fome ou Tédio’s blog or by e-mail: brunalvgoncalves@gmail.com


0 comentários:

Postar um comentário