Marcadores

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Por que você não é entendido?

   

       Você já deve ter se perguntado: “por que será que tal pessoa não entendeu o que eu disse?” Geralmente, após esse questionamento pode surgir alguma frustração, fazendo com que se sinta um incompetente.
        Mas, também há aqueles que sentem uma onda de raiva, não acreditando que o “impossível” possa ter acontecido. “Como assim você não entendeu o que eu disse”? E, claro, quem pensa dessa forma também tende a descontar no outro sua fúria.
        Eis um fato que para ser entendido não é preciso ter competência ou não. Mas, um olhar atento sobre o outro e, principalmente (e acredite!), abrir o seu coração. Isso porque você é uma pessoa única, repleta de histórias, costumes, modos, dogmas sobre si mesmo e os outros. Não é diferente com seu interlocutor. E ao criar um diálogo é preciso levar em conta que a pessoa com quem você conversa não tem nenhuma obrigação (de imediato) de entender seu mundo e seus contextos.
        Por isso, é necessário ter uma postura muito pacífica (e não passiva, por favor) diante de qualquer pessoa, independentemente de quem seja, caso você queira ser compreendido. Veja, é impossível saber como as pessoas entendem aquilo que se fala, mas é possível sim facilitar o diálogo. E, é por isso, que hoje trago dicas muito simples para que suas conversas fluam.  

1) Busque a cordialidade com os olhos e aperto de mãos (ou abraços e beijos). Nenhum diálogo começa bem quando você simplesmente chega falando (ou despejando) o que deseja.

2) Entenda quem é seu interlocutor: sua mãe? Namorado? Chefe? Intuitivamente, as pessoas sabem que não devem falar com o chefe da mesma maneira como conversa com a mãe, mas em alguns momentos se esquecem. Cada pessoa exigirá um tipo de diálogo diferente.

3) Antes de falar pense nas palavras mais simples para aquele diálogo. Não tente impressionar as pessoas com uma fala rebuscada. Pode não criar identificação com que você conversa.

4) Seja objetivo. Ser objetivo não é ser grosso, é ser direto. Como você já deve imaginar, as pessoas não têm muito tempo para pessoas cerimoniosas, nos dias de hoje.

5) Observe seu tom de voz.Há pesquisadores que afirmam que o tom é responsável por 55% daquilo que é entendido, reforçando um diálogo. Outros dizem que essa margem é de 38%. Eu digo que não importa muito qual é o número exato. Tenha a certeza de um tom firme, cordial, contendo uma mensagem clara e objetiva são os caminhos mais rápidos para que você seja entendido.

6) Não crie monólogos e sim diálogos. Você fala e não deixa o outro falar? Como quer ser entendido se sequer permite que o outro faça suas considerações? Ouça (de verdade e pacientemente) antes de se posicionar.

7) E, claro, se alguém não entendeu o que você disse, não se irrite. Apenas repita sua mensagem. 

        Será que você me entendeu? Rsssss. Ficam as dicas!      

p.s: se você quer turbinar sua comunicação, clique no banner abaixo. Faça os cursos on-line da DNA Comunicativo. 10 temas sobre comunicação para o dia a dia (dentro e fora das empresas).




Why aren’t you understood?

        You've probably wondered "why that person didn’t understand what I said?" Usually, after such questioning may arise some frustration, making you feel an unconditional incompetent.
        But there are also those who feel a surge of anger, don’t believing that the "impossible" have happened. "How don’t you understand what I said?" And of course, someone who thinks like that also tends to discount on the other his fury.
        Here is a fact that to be understood is not necessary to be competent or not. But a close eye on each other and, especially (and believe me!), open your heart. That's because you are a single person, full of stories, customs, manners, dogmas about yourself and about others. It isn’t different with the interlocutor. And to create a dialogue you must take into account that the person you talk to has no obligation (immediately) to understand your world and your contexts.
        So it is necessary to have a very peaceful posture (and not passive, please) against anyone, regardless of who it’s, if you want to be understood. See, it's impossible to know how people understand what you say, but, yes, it’s possible to facilitate dialogue. And that's why, now I bring very simple tips to make flow your conversations.
1) Seek cordiality with eyes and shaking hands (or hugs and kisses). No dialogue begins right when you arrive just talking (or dumping) what you want.
2) Understand who is your interlocutor: your mother? Boyfriend? Boss? Intuitively, people know to don’t talk to the boss just as a conversation with their mother. Each person requires a different type of dialogue.
3) Before speaking think in the simplest words for that dialogue. Don’t try to impress people with a flowery speech. You can not create identification with who you are talking to.
4) Be objective. Being objective isn’t to be thick, it’s to be direct. As you might imagine, people don’t have much time to ceremonious people in these days.
5) Watch your tone. There are researchers who claim that the tone is responsible for 55% of what is understood by strengthening dialogue. Others say that this margin is 38%. I say it doesn’t matter what is the exact number. Be assured of a firm, friendly tone, containing a clear and objective messages are the fastest way for you to be understood.
6) Don’t create monologues but dialogues. Do you talk and don’t let the other speak? How to be understood if you even allows the other to make their considerations? Listen (real and patiently) before positioning.
7) And of course, if someone didn’t understand what you said, do not be angry. Just repeat your message.
        Do you understand me? Rsssss. Here are the tips!
Translator:


Bruna Gonçalves. 23 anos. Redatora publicitária e marketing digital. Faço freelas de conteúdo e de tradução. Pode me encontrar também no blog Não Sei se é Fome ou Tédio ou por e-mail: brunalvgoncalves@gmail.com


Bruna Gonçalves. 23 years old. Copywriter and digital marketing. Freelances in copywriting and translation. You can find me in Não Sei se é Fome ou Tédio’s blog or by e-mail: brunalvgoncalves@gmail.com


2 comentários:

Parabéns pelo texto!
Muito bom! :)

Oi, Silvia.
Gratidão pelo carinho.
Abraços.

Postar um comentário