Marcadores

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

O que o seu coração diz?

        Uma senhora está parada na porta de entrada de um supermercado pequeno. Desses de bairro. Então, pega um pacote (aparentemente de pão) e o cheira. Permanece parada com o saco em mãos, durante alguns minutos, como se a cena pudesse ter sido pausada.
        Depois, abaixa o saco e comenta com uma vendedora: “isso aqui tem cheiro da minha juventude.” Passou no caixa, levou o pacote e saiu. A moça do caixa comentou: “eu, heim, é só café que tem dentro.”
        Não pra aquela senhora. O que ela deveria ter imaginado? Sua vida na lavoura? O torrador de café da família? Ou, o cheiro do café coado para seu grande amor? Só ela saberia.
        Um pouco mais pra frente, em um café, uma moça está com um livro em mãos. Sua feição é de tristeza, mas não parece triste, exatamente. E, num suspiro, deita o livro como quem vai tomar um fôlego, deixando aparecer o título da obra: “Orgulho e Preconceito”. Quando li a primeira vez o livro não tive dúvidas de que a personagem central, Elizabeth Bennet, é quem era a orgulhosa. Mas, isso não me deixava triste. Apenas, pensava: “que teimosa”. A frequentadora do café, observando que eu olhava pro livro dela, comentou: “esse Mr. Darcy é muito orgulhoso”. Fico furiosa, comentou. Eu, apenas sorri (como assim, furiosa?).
        Realmente, um ponto de vista é apenas um ponto de vista. E, é possível estender esse comentário a quase tudo: às visões sobre a política (tão debatidas nas redes sociais); aos chatos, que tentam te convencer sobre sua religião; aos missionários do futebol, que querem lhe impor seu fanatismo como se fosse obrigado ter a mesma atitude. Ah, isso vale também pras pessoas que querem causar polêmica sobre qualquer coisa que leem (com o nariz, claro), principalmente nas redes sociais.
        Diante de tantas opiniões distintas, acredito que o poder de expressão comunica muito mais que a democracia. Se se prestar atenção um pouco mais nos comentários das pessoas, seja em relação àquela senhora ou à moça do café ou ainda em relação aos que opinam sobre tudo e qualquer coisa nas redes sociais, existe uma pista muito evidente por trás de tudo isso: o que existe no coração de cada um!
        Tudo o que sai pela sua boca (e pela minha também) é um vestígio muito evidente de como cada um se sente diante de fatos. Bote reparo: muitas vezes alguém fala alguma coisa ou se expressa de maneira muito clara e objetiva. Mas, outra pessoa entende como uma afronta o que foi dito.
Já busquei entender esses não entendidos por meio da ciência da linguagem. Mas, foi, ao ouvir os corações, que, então, pude realmente compreender. Algumas têm o coração tão preenchido de negatividade que não conseguem enxergar a beleza em nada do que é dito.  Mesmo em momentos de celebração ou alegria ou descontração, conseguem verbalizar tensões, tristezas ou trazer um peso mais sério.
        No entanto, existem outras pessoas que, por mais que um momento esteja tenso, esquisito ou esteja uma situação limite (como a pobreza, por exemplo), conseguem verbalizar coisas lindas, felizes, palavras leves e preencher o espaço com muito amor. E mais: ver as coisas a partir de uma perspectiva muito otimista.
        Lembre-se: tudo o que é verbalizado é apenas um reflexo do coração. E, então, o que o seu coração diz?









1 comentários:

Postar um comentário