Marcadores

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

O verbo no passado

        Lembro-me de ser muito pequenininha (uns três anos), passeando de mãos dadas com meu pai, ao ver um símbolo de um banco próximo à praça central da cidade onde nasci. Era um dia de comemoração, havia fanfarra, possivelmente, uma data cívica.
        Aquilo me chamou a atenção e fiquei com a imagem na cabeça por muitos anos. Até que o símbolo do banco se tornou nítido na minha mente. E, então, trinta anos depois, perguntei a meu pai: “já teve Citibank aqui na cidade”? Surpreso com a pergunta completamente descabida ele disse: “ah, há muito tempo. Você nem era nascida”. Claro que não me dei por vencida, afinal, eu me lembrava daquela cena, nitidamente, durante quase a vida toda!
        E, então, fui pesquisar. Enquanto não descobri quando foi que a agência da cidadezinha tinha desaparecido, não sosseguei! Levou um certo tempo para aceitar que meu pai estava certo! A agência havia fechado três anos antes de eu nascer. Então, como é que aquela cena poderia ser tão nítida em minha cabeça?
        Porque ela estava só na minha cabeça. Talvez eu tenha sonhado com a cena e um dia encontrei um símbolo parecido com o do Citibank e então assimilei uma coisa com a outra. Ou ainda, a cena poderia, realmente, ter acontecido, mas sem todos os detalhes.
        De certa forma, meu equívoco – depois que passou a surpresa pelo não ocorrido – trouxe um pouco de alívio. Num primeiro momento, achei que estava louca ou que havia começado a ver coisas. Depois, veio o otimismo junto com um pouco de lógica e razão: percebi que as histórias do passado podem ser tão reais como as situações que realmente vivemos ou podem, simplesmente, ser uma mentira contada por nós mesmos.
        É um alívio poder tornar um passado “esquisito” transformado em pó, assim, como um piscar de olhos. Basta não atribuir a ele nenhum peso. Afinal, ele não existe mais mesmo, não é verdade?
        Se se observar os passados mais difíceis por essa perspectiva, fica bem mais fácil deixar as bagagens do passado no passado, simplesmente. E permitir-se construir uma nova realidade para seu próprio passado.
        Mas, observo um movimento (que eu mesma fiz durante algum tempo) de conjugar o passado no presente. Repare, leitor, como as pessoas trazem à tona as experiências do passado como se pudessem vivê-las naquele exato momento. Muitas vezes, com a mesma emoção vivida na situação que já se passou, independentemente se é uma situação boa ou ruim.
        No entanto, observe como um “equívoco” pode ajudar as pessoas a enxergar uma situação como uma “lembrança sem peso”. O meu sonho de criança era tão real que podia ouvir o que a fanfarra tocava. Mas, depois de perceber o equívoco, a cena desapareceu da minha cabeça. Agora, é uma lembrança sem sentimentos, como uma observação neutra sobre um assunto.
        Já pensou, então, poder apagar o passado que nos traz amarguras no coração? Muita gente vai dizer que não é fácil, assim, apagar um problema, um drama e até um trauma. Concordo plenamente. Existem assuntos que demandam mais atenção e tratamentos.
        Agora, já pensou em praticar o “equívoco” com seu passado em algumas situações menos importantes? Por exemplo, pode ser o medo de dormir no escuro ou de comer beterraba. E, se você simplesmente acreditasse que adora um escurinho e que suco de beterraba é uma delícia? Sua vida não poderia ficar melhor?
        Pelo menos, para mim, tem sido útil. Desde que deixei o “equívoco” entrar em minha vida, observei o passado como “coisas que passam”. Já não me importam mais se foram verdadeiras ou não, ou se tem o peso ou não do passado. Deixo as coisas irem! Deixo as pessoas irem. Deixo as tristezas irem! Assim como uma lembrança de um momento que pode ou não ter existido! 





1 comentários:

Belíssima reflexão, Alloyse. Já eu tenho é saudades do futuro.

Postar um comentário