Marcadores

quinta-feira, 10 de julho de 2014

O culpado!

        O jogo do Brasil com a Alemanha foi, sem sombra de dúvida, um daqueles momentos da história em que o torcedor se pergunta: como isso pode estar acontecendo?
        E é um fato, que assim como as catástrofes, guerras ou eventos inesperados podem deixar qualquer um, muitas vezes, sem reação, o mesmo pode acontecer com uma grande derrota no futebol. Não entendo como alguém pode realmente gostar de futebol como se isso fosse a razão de sua vida. Mas, respeito. Afinal, também tenho minhas paixões.
        No entanto, é interessante fazer uma observação nada apaixonada, nesse momento, em torno dos discursos pós-derrota: “Felipão foi o culpado! É uma seleção horrível! Ninguém jogou nada”. Deve ser mesmo muito ruim para um torcedor que goste de futebol ver que o Brasil não será hexacampeão mundial. No meu ponto de vista de uma humilde torcedora, apenas vi uma seleção alemã muito superior e mais madura em relação à brasileira. Apenas isso! E, particularmente, acredito que não existe um culpado e sim o conjunto de pequenas (ou grandes falhas), que servem para a administração do futebol no futuro.
        Esse não parece ser o ponto de vista da maioria. O que vi nas redes sociais, na mídia e nos comentários de boteco é aquela famosa frase: “o culpado foi fulano”.
        E por que é necessário culpar alguém? Porque é mais fácil! Quando se culpa os outros (seja o país, o técnico, a professora, o cachorro do vizinho) é como ganhar isenção sobre um problema! É como se não houvesse qualquer responsabilidade sobre o tema que se fala. É como subir no telhado e jogar pedra em quem está passando só porque não se gosta muito daquelas pessoas, afinal você as vê como um problema, como culpados.
        Mas, que responsabilidade tenho eu de gostar de futebol – vai me perguntar o leitor? Ué, você escolheu ter uma paixão tão grande por um esporte que isso pode lhe causar problemas, até de saúde! Mas, isso, é uma escolha sua (não minha). O olhar que você tem sobre o futebol é que torna o futebol um problemão para você! E aí, quando se culpa alguém porque seu time não vence é como encurtar o problema: o problema está no culpado que escolhi ou no fato de olhar para o futebol como se não houvesse amanhã?
        Existe também um outro lado da moeda da culpa. Quando se culpa alguém ou se pega alguém para Cristo (ou como Judas mesmo), pode haver, aí, a intenção de esconder as próprias falhas. Culpar o futebol porque chegou atrasado ao trabalho, culpar o jogo ruim para discutir com a esposa. Essas são atitudes bem comuns das pessoas que, em geral, culpam os outros pelos seus problemas.
        Ah, a culpa também pode ser usada para isentar, qualquer um, de amadurecer seus argumentos. Sabe aquele tipo de pessoa que opina sobre tudo sem saber ao certo do que está  falando? E como não tem um argumento forte, fala assim: “ah, na verdade fulano é que é culpado”.
        A culpa também serve de muleta para aqueles que querem ver a vida passar, se queixando sobre quase tudo: o transporte, o trânsito, as ruas lotadas, os relacionamentos difíceis.
        Agora, já pensou em inverter essa situação? Qual é sua parcela de culpa quando você joga lixo no chão da cidade onde mora? Qual é a sua parcela de culpa quando não presta atenção em quem vota?  Qual é sua parcela de culpa quando não se tem qualidade em seus relacionamentos, sem observar o porquê (e aí, fica culpando todo mundo)? Qual é sua parcela de culpa quando usa o futebol como desculpa para não observar seus problemas reais?
        Honestamente, você não se tornará melhor cidadão porque tem culpa. Aliás, isso não mudará a vida de ninguém. Agora, que tal parar de culpar as pessoas e começar a ter pequenas ações para que a sociedade seja melhor para si e para os outros?
        Durante a entrevista coletiva vi, no Felipão, um senhor com um discurso honesto dizendo: “eu achei que isso seria o melhor!” Com certeza ele achou. E, como ele mesmo disse: serve para aprendizados futuros.
        Em vez de buscar culpados, que tal encontrar aprendizados? Para a derrota na Copa e para as suas dificuldades diárias também!



0 comentários:

Postar um comentário