Marcadores

quarta-feira, 5 de março de 2014

Olé!


        Estava sentada diante de uma das pessoas mais equilibradas que já havia visto na vida. E, então, ela me perguntou: qual é a sua verdade? Pensei um pouco e respondi: como assim?
        Verdade é a sua verdade, ela explicou. Não é o que os outros esperam o que você seja, mas o que você é. Mesmo com essa explicação demorei um pouco para entender que ela falava de um modo universal. Verdade não era apenas “as coisas em que eu acreditava”, mas como eu me sentia diante das minhas verdades.
        E, então, passei a entender que, de um modo geral, existe verdade verdadeira apenas para nós. Algumas pessoas podem compreender a sua verdade e te ler exatamente como é. Outras não irão compreender nunca, por mais que você explique.
        Foi seguindo esse pensamento que entendi que verdade é um conceito que se aplica a todas situações do dia a dia. O modo como você tira o carro da garagem é a sua verdade. Desde que você não atropele ninguém, rsssss, ou amasse uma parede (e ainda assim, é sua verdade). Não importa muito se irá virar o volante duas vezes para a direita ou para a esquerda. Os outros até podem implicar com o seu modo de retirar o carro da garagem. E daí? Essa é a sua verdade!
        Pois bem. Acredito, que verdade é aquilo que fazemos com o coração. Ou quando fluímos em nossa essência nas pequenas realizações diárias (ou nas grandes). Mas, tentar superar qualquer expectativa é quebrar “a sua verdade” para atender a uma demanda que não é sua. Portanto, é uma mentira! 
        Quando me perguntaram qual é era minha verdade, passei a entender o quanto fazia o que os outros queriam apenas para tentar ser amada ou aceita. Que perda de tempo! Preciso abrir esse parêntese: é bem verdade que as pessoas convivem em sociedade e que, portanto, é importante tentar fazer com que a harmonia ocorra e, tem horas, que é preciso ceder. Mas, ceder não é ferir a sua verdade. Ceder é flexibilizar em algo que se possa ser feito sem ferir ninguém.
        Você já reparou quantas inverdades existem por trás dos desejos das pessoas? Aquela amiga querida te ama se você fizer somente o que ela quer? Ou as pessoas te amam enquanto você é útil? E se você deixar de ser ou não puder atender as demandas, é um estorvo?
        Acredito que as pessoas precisam aprender a encontrar suas verdades antes de “exigir explicações” sobre a dos outros.
        É bem verdade também que “a verdade” está contida no trabalho e ela é um reflexo de como a usamos "as nossas verdades" no dia a dia. Lembro-me uma vez que alguém perguntou por que eu escrevia um blog. E aí, falei qualquer coisa para despistar (já entendendo que esse é problema da pessoa e não meu). A pessoa, então, disse: você não vai ter muito tempo para fazer outras coisas. Pensei sem pronunciar nada: ah, sim, você está incomodado com a minha verdade!
       E, então, percebi que é importante não ouvir, algumas vezes, as vozes externas sobre suas verdades, muito menos quando o assunto é trabalho. É preciso criar um filtro. Se sua verdade é verdade para você que diferença faz se seu colega de trabalho achou uma porcaria?
        Falo isso porque, claro, o mundo é muito dinâmico e cheio de novidades. É possível observar, todos os dias, listas e mais listas de como se fazer coisas: desde como cuidar bem de bebês, até como virar um empresário de sucesso em três meses. Temo muito essas pessoas que acham que tem a solução (ou "a verdade") para a vida dos outros. Será que elas estão, verdadeiramente, ouvindo a “verdade do seu coração” ou apenas jogando a sua expectativa nos outros?
        Por isso, é preciso estar atendo a seu movimento criativo. Deixe que o melhor de você seja exposto. Se você varre rua e faz isso com amor, então, deixe o seu jeitinho transparecer. Se você acha que vai varrer primeiro a calçada e depois o meio fio e essa for a sua verdade, ótimo. Siga o seu coração.
        Até porque é do ser humano se questionar assim: “será que vou ter sucesso fazendo isso”? “Será que isso está bom”? Será que outras pessoas vão aprovar?
        Não perca seu tempo! Onde está a sua verdade nessas horas? Não se prenda à verdade dos outros porque, fatalmente, sempre existirão aqueles que não te admirarão em absolutamente nada e farão questão de te depreciar.
        Por isso, repito: respeite sua criatividade! Eu sei que não é fácil acreditar em si o tempo todo. Mas, não deixe que sua exigência e a expectativa alheia (ou até a inveja mesmo, rssss) tirem a sua luz.
        Pensei durante meses sobre esse assunto até que encontrei uma palestra realizada pela Elizabeth Gilbert. Para quem não conhece, ela é autora do livro “Comer, rezar e amar”, que particularmente amo. E amo pela verdade da autora.
        Elizabeth chama de “Olé” o que eu chamo de “verdade”. Ela acredita que todo mundo tem um “olé” dentro de si, mesmo nos pequenos trabalhos cotidianos. Vale a pena tirar um tempo para ver o vídeo. É grande, mas cada segundo compensa. O vídeo está em inglês (é um TED), com legenda em espanhol. É o que consegui.
        E, então, você já pensou em qual é a sua verdade? 
    



         

 p.s: agradeço, imensamente, quem me perguntou qual era a minha verdade. Só depois disso, parei de buscar respostas fora de mim. 

4 comentários:

Oi Lois, você não imagina o quão bom foi ler essa sua reflexão hoje. Há algum tempo, desde ano passado para ser mais exato, tenho internalizado mais meus pensamentos, pensado justamente sobre isto, quais são minhas verdades...
Neste ano coloquei uma meta interna de me descobrir e para isto vou ter que fazer coisas que nunca fiz antes, nunca fiz porque nunca quis decepcionar os outros, sou uma pessoa que pensa demais no que fazer para que os outros estejam bem, mas desta vez, tirei este ano para mim, para me compreender, descobrir de verdade ao menos a maior parte das minhas verdades e nas horas em que tenho dúvidas sobre o que estou fazendo, reflexões como esta sua ajudam a dar aquele fôlego e ver que não estou errado.
Obrigado

Querido,
você não está é sozinho! Isso sim. Todos nós pensamos isso, mas nem sempre praticamos!
Um grande abraço.

Postar um comentário