Marcadores

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Best Wishes!



        No último post do ano, pensei em vários temas para dividir com vocês. Aí imaginei uma listinha com os melhores desejos que tenho aos leitores. E, depois de gastar um pouco de fosfato pensei: já sei, vou falar sobre uma lista especial!
        Quando um novo ano começa é comum as pessoas fazerem listas com desejos materiais ou palpáveis: um carro novo, um novo emprego, um namorado amável, a viagem dos sonhos. Claro, quem não quer? Quem não quer ser o mais novo milionário de 2014? Quem não quer tirar um ano de férias? Quem não desejaria não ter que se preocupar com a conta bancária? Seria maravilhoso, não?
        Mas, como sei que milagres não acontecem assim, da noite para o dia - quantos milionários se encontram pelas ruas? Quantas pessoas estão felizes com seu relacionamento? – pensei em falar sobre uma lista mais prática que pode ajudar a tornar 2014 um ano mais bacana e também comunicativo!
        É claro que desejo que 2014 seja um ano bacana, mas o que tem que ser bacana mesmo é a maneira como se olha para os desafios. E, para isso, não adianta fugir: é preciso olhar para quem se é e o que desejaria mudar em você. Sabe por quê? Porque acredito que quando se olha para quem é, permite-se superar as dificuldades e os mais enraizados dos hábitos, que podem, inclusive, atrapalhar os sonhos. Que tal, então, fazer uma lista de comportamentos e atitudes que você mudaria em si mesmo? Ah, que chata essa brincadeira, né? Mas, ela é necessária.
        Ser comunicadora é como o muro das lamentações: as pessoas chegam para você e dizem que querem melhorar a comunicação com os funcionários. Mas, acreditam, cegamente, que os problemas são os funcionários e não quem está falando. Que tal todos começarem a perceber a maneira como se comunicam? Ou então, tem gente que quer melhorar a Oratória sem tentar vencer a timidez. Ou quer ser assertivo sem deixar de assumir a responsabilidade sobre aquilo que se fala. Não é possível, desculpa ser franca, mas isso não vai acontecer sem que avance um pouco sobre suas próprias dificuldades.
         E, é por isso mesmo que eu insisto: desejo que em 2014 você vença tudo aquilo que acredita que precisa melhorar em si e para isso sugiro uma listinha especial. Pode ser sua relação com a família, com o dinheiro, com as pessoas, com sua Oratória, enfim, aí vai de você. Mas, por que uma listinha, você vai me perguntar? Porque, em geral, é muito fácil apontar os erros dos outros, sem olhar para aquilo que se faz. É pouco provável que se vá encontrar alguém, até mesmo entre os entes queridos, falando assim: “nossa, gostaria tanto de mudar essa minha avareza! Quem pode me ajudar?”. Isso não existe. O que existe é que as pessoas tendem a achar que não têm coisas a resolver consigo mesmo. Como disse Sartre: “O inferno são os outros.” E aí, ficam apontando os erros dos outros, sem entender que o que lhe impede de crescer são os seus próprios medos. Brinco com os mais chegados que tenho uma listinha “best wishes” com coisas que gostaria de melhorar que não vai dar tempo de falar mal de ninguém em 2014. Rssssss.
        Olhar para si, sem receio, é como comunicar o melhor de você para você mesmo! Não está feliz contigo? Não gosta da sua avareza? Proponha-se a um trabalho voluntário. Não gosta da sua timidez, proponha-se a começar uma reunião na empresa. Você acha que todo mundo passa por cima de você? Comece a se posicionar. Tudo pode melhorar. Mas, sem esse exercício, corre-se o risco de entrar ano e sair ano sem entender o que você pode dar de melhor para você e para os outros. Quem não se percebe, se investiga, corre o risco de fazer outras coisas: além de falar mal do outro (porque não consegue se superar), pode tentar controlar a vida dos outros.
        Dou muita risada quando vejo as pessoas falando coisas do gênero: “olha, eu sei o que é melhor para você”. Se ninguém lhe disse isso, vou dizer: não, você não sabe! Tentar administrar a vida dos outros e impor formas de pensar, agir, vestir ou comer ou de administrar qualquer coisa é a comprovação de que não está se olhando com carinho. Não é possível que você não tenha coisas mais urgentes a resolver do que tentar fazer com que todo mundo faça o que você faz. Toda vez que fizer isso, sugiro que volte para a sua listinha e se ocupe com as suas dificuldades. Nada de ficar brincando com a listinha dos outros. Coisa feia!
        Quando alguém lhe pede ajuda, você oferece o que está ao seu alcance, mas não imponha maneiras de se viver. Esse foi o maior aprendizado da minha vida. Lembro-me quando era jovenzinha, tipo uns 20 anos, eu me maquiava maravilhosamente bem. E queria que minha irmã mais nova também gostasse de maquiagem (leia-se: tentava controlar a vida dela). Toda vez que ela saía, eu queria maquiá-la com sombras, rímel e tudo aquilo que eu podia mostrar que eu sabia! Ela é bióloga e não gosta muito de maquiagem. Demorou para eu entender que impunha a ela um “modus operandi” que era meu. Se eu soubesse da listinha, teria pedido para o ano 2000 que eu fosse mais segura e parasse de tentar agradar tanto as pessoas com uma maquiagem impactante.
        É claro que os anos mudam e os desejos da lista vão mudando também. Aliás, a palavra mudança cai muito bem para encerrar esse assunto e para começar 2014. Não lembro onde foi que li algo assim: “vivemos infelizes por medo de mudança”. E, então, o que você mudaria em você?



0 comentários:

Postar um comentário