Marcadores

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Um momento de leveza!


         A leveza é um estado de espírito. Eu sei que isso parece óbvio, mas observe como a leveza tem sido tão pouco praticada, principalmente por meio da fala.
        Eu não entendo muito por que. Se é possível ser leve, por que as pessoas têm esse hábito de escolher palavras pesadas que expressem seus sentimentos? Será que essas pessoas são pesadas o tempo todo ou irritadas?
        Eu adoro dizer que a leveza é irmã da tranquilidade, um ritmo não apenas pouco praticado hoje em dia, mas também, por incrível que pareça, até pouco aceito pela nossa sociedade considerada “contemporânea”. É contemporâneo morrer jovem do coração, enfartado pelas próprias angústias, quando se tem uma vida inteira pela frente? É contemporâneo querer tanto o futuro que se esquece de viver o agora? Que tipos de palavras são ditas no cotidiano contemporâneo?
         Particularmente, acredito que o contemporâneo é um espaço que já foi conquistado, um momento em que não se luta por mais nada e que se desfruta de tudo aquilo que foi adquirido e conhecido pelas gerações passadas. Analisem comigo: tudo o que se tem hoje é fruto de dois mil anos ou mais de muitas guerras, lutas e vitórias. Conquistas sobre o próprio conhecimento que trouxeram uma vida razoavelmente confortável a boa parte dos seres humanos, principalmente os que habitam os centros urbanos. E hoje, vive-se em um conforto tão grande que se começa a questionar o por quê de se ir à padaria a pé, mesmo que ela fique a duas quadras da sua casa, se é possível ir de carro. Não era para o homem estar feliz com tudo isso?  E por que anda tão pesado em seus pensamentos e palavras? Não sei dizer.
        O oposto do peso é a leveza. Digo que a leveza é algo que acontece quando se está desatento com o mundo: um molho de macarrão que cai na sua camisa branca, um banho de chuva inesperado, um abraço bem apertado, o cheiro do bolo assando, o pisar na grama molhada, o boiar em alto mar, uma cortina que se move com o vento e faz uma coreografia engraçada. Tudo isso é leveza.
        Mas, acredito também que a leveza não é apenas um estado de espírito que acontece num instante de distração, mas pode ocorrer até mesmo quando se está extremamente atento: a ansiedade dos pais ao ver os primeiros passinhos de seus filhos, a delicadeza dos movimentos de um cirurgião que opera um cérebro, os passos de uma bailarina, que mesmo sofrendo com o peso do próprio corpo aguenta firme para fazer a leveza se sobressair à dor.
         Isso seria uma falsa leveza, você poderia me afirmar. E eu digo: não! Há leveza na dor. Há leveza no inesperado. Há leveza até na perda. Depende de como você olha para o fato e a leveza que pode haver nele.
        Ninguém gosta de sofrer, mas se você amargurar o sofrimento, em vez de aceitá-lo, talvez você fique mais leve. Do mesmo modo quando algo não saiu como se imaginava e se vê que há outra saída, naturalmente você estará contornando a situação com leveza.
        Mas, leveza não se exige. Se permite! E é aí que eu digo que as pessoas que aparentemente são leves em suas palavras, mas na hora de fazer um apontamento são pesadas, não tem nada de leves. Talvez elas sejam levianas.
        Leviano é o tipo de pessoa imprudente, principalmente com as palavras, mas também com os sentimentos alheios. É leviano quem acha que “tudo bem eu dizer isso, sou assim mesmo e não vou mudar". Por isso, dizem o que pensam sem medir as consequências. Talvez os levianos tentam ser leves através da brincadeira ou ironia, mas têm uma leveza programada para não assumir riscos, para viver no precipício com as responsabilidades. Então, fingem ser leves.
        Mas, tirando esse pessoal aí, existe uma leveza nata. Aquela que está dentro do seu coração. Eu defendo que as pessoas devem ser leves não nos momentos legais e felizes. Neles já existe leveza por si só. É preciso ser leve em qualquer situação para que as palavras não ganhem um peso errado. 
        Uma das expressões mais significativas da leveza que já vi em minha vida é uma música feita por Debussy, um dos meus compositores favoritos. Prélude à l'après-midi d'un Faune fala de um fauno que, sozinho, em uma tarde em um bosque tenta alcançar as ninfas, mas não consegue. Portanto, se deita e sonha com elas. A sensualidade é uma das facetas da leveza e, não à toa, é um dos assuntos preferidos das pessoas, porque remete a algo leve.
        E então, lhe proponho: que tal ser tão leve com as palavras como as notas compostas por Debussy?   



 “As palavras têm a leveza do vento e a força da tempestade”. (Victor Hugo)






p.s: para quem não conhece essa obra de Claude  Debussy, vale a pena parar para ouvir:          





2 comentários:

O seu texto sempre muito doce, adorei! Estou na torcida: por uma vida mais leve!

Obrigada, florzinha! De coração!

Postar um comentário