Marcadores

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Qual é a história da sua vida?

             Quem é você? Eu gostaria de saber.
            Veja só! Você parou alguns instantes do seu dia para ler o que está escrito aqui. Mas, não tem ideia de como eu adoraria conhecer o que você também escreve. Não falo sobre qualquer escrita. Falo do livro da sua vida!
            Eu acredito  que todo mundo tem uma história de vida que poderia render um livro.  
           Os livros estão repletos de histórias que estavam na cabeça de pessoas que se inspiraram em alguém ou um fato para escrever o que escreveu. São histórias engraçadas, outras tristes e outras bobas. Que diferença faz? É como a nossa história de vida, às vezes mais legal, às vezes não.
         Talvez você não tenha percebido ainda a relevância da sua historia de vida, mas, acredite, ela é importante. Todos nós mudamos o mundo a todo o instante, influenciando pessoas, ditando comportamentos e, mesmo sem perceber, acabamos sendo exemplo (bom ou ruim) para muita gente. Você pode não ser um grande político, nem uma pessoa famosa, mas você é importante para o seu filho, seus colegas de trabalho, para seus amigos.
             Mas, se você não acha isso suficiente para contar a história da sua vida, vou te dar um argumento ainda melhor: você é importante para você. E se você sentir isso, vai perceber o quanto as pessoas também te acham importante.
            Esses dias Maria Paula, uma colega de sala, falou assim: nossa, peguei uma conversa no corredor que fiquei com vontade de terminar de ouvir! Isso o que ela disse é o mesmo que “você é importante, então conte sua história para mim.” E não tem nada a ver com fofoca. Aliás, penso que se cada um olhasse para a sua história de vida com mais carinho e analisasse os capítulos da sua vida não se ocupariam muito com a vida dos outros.
             Eu posso te garantir que não existe história mais bonita do que a nossa própria e aprendi a tratar a minha com muita ternura.
            Desde criança (acho que desde que aprendi a falar) me interesso pela história dos outros. E, não é só um gostar de ouvir. É um gostar de compartilhar porque acredito que a história do outro possa fazer diferença para mim, que vai mudar algo ou que, pelo menos, vai me fazer pensar. E isso, a solidão não me proporcionaria.
            Às vezes penso que a minha vida também renderia um livro, aliás, uma coleção inteira. Esses dias, comentei com uma amiga que tenho 34 anos, mas já vivi tantas coisas que, de vez em quando, parece que 101. É como se eu fosse o Forrest Gump do filme, um colecionador de registros históricos, de fatos, acontecimentos.
         E quando olho para a coletânea da minha vida, acho a melhor história do mundo! São páginas registradas que hoje leio com muito amor, mesmo que eu não goste de alguns capítulos.  Eu sei também que ainda tem muita coisa a ser escrita e é isso que me faz acreditar que ainda tenho que continuar compartilhando!
            Então, que tal você compartilhar comigo a história da sua vida? Não vou divulgá-la em lugar algum, não vou contá-la a ninguém. Ela vai ficar guardada comigo, para sempre, no coração! Só eu vou lê-la! Sabe por que? Porque você é importante. Lembre-se disso!


p.s: Eu realmente quero saber a história da sua vida. Se você quiser contá-la, mande-me um e-mail para  contesuahistoria@alloyse.com.br  
p.s1: o personagem de Tom Hanks, em Forrest Gump, é a de um contador de histórias que foi testemunha de vários fatos, claro, históricos! O filme é uma graça! Vale a pena assistir.





0 comentários:

Postar um comentário