Marcadores

quinta-feira, 26 de abril de 2012

O som não sai na latinha


       
       Quando eu era criança adorava brincar de telefone usando duas latinhas. Elas eram ligadas por um barbante e eu jurava que o som passava por ele.
        Foi uma decepção quando entendi que a telefonia não era tão simples assim e que eu teria que me esforçar um pouquinho mais para ser entendida.     A brincadeira das latinhas ficou na minha cabeça até hoje. E, pelo menos para mim, é a grande metáfora dos ruídos de comunicação.




        O som não passa de uma latinha a outra, você precisa se fazer entender. E assim, acontece diariamente na nossa vida. Imagine uma empresa que precisa comunicar seus funcionários de uma demissão em massa. Se a informação é passada para um e para outro sem um comunicado oficial, o que acontece? Dá o que eu chamo de metástase comunicativa! Uma bagunça geral e todo mundo vai achar que também será demitido. Uma decisão séria como essa acaba virando um outro problema:o ruído.
        É claro que as empresas, de um modo geral, sabem lidar com situações como essa. Mas, exemplos muito mais bobos, às vezes causam mais prejuízos do que se imagina. Se uma mensagem precisa ser dada e ela não fica suficientemente clara, com certeza não vai ser compreendida. Porque por trás dos trabalhadores há seres humanos (graças a Deus!) que pensam, mas que também tem sentimentos e estão carregados de opiniões e desejos. Nem sempre os  colaboradores vão olhar o contexto geral da empresa antes de dar a sua opinião. Em outras palavras: cada um interpreta o que quer, como quer.
        Então, para que a comunicação aconteça sem que as interpretações periféricas possam atrapalhar, seja o mais claro possível (e educado). Não só dentro como fora das empresas. Identifique quem é o seu público e como você vai falar para ele. Qual mensagem você quer passar? E de que de maneira?
        Em uma empresa, a comunicação sempre acontece de cima para baixo. Quais são os planos, metas e objetivos que os gestores indicam para seus funcionários? Como essas decisões estão sendo transmitidas? 
        No dia a dia, você também pode treinar o direcionamento do que precisa falar. E mais, perceba o que você também está fazendo com as informações que os outros te dão. Como eu as interpreto?
        Eu sempre digo: se comunicar não é difícil, mas é necessário boa vontade. Assim, fica fácil até de falar em uma latinha.


P.s: demorei para perceber que o som não passava pelo barbante porque eu entendia tudo o que minha irmã falava... em alto e bom som. Hehehehehehe. Foi mal, Pops! Sem ruídos!
        

0 comentários:

Postar um comentário