Marcadores

Cursos

Treinamento para falar bem na mídia, palestras, reuniões e vídeo aulas.

Comunicação como ferramenta

Conheça os benefícios de uma comunicação mais eficiente.

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Com que roupa eu vou?

         Ninguém quer aparecer desleixado na televisão. A imagem que passamos  na mídia pode ser fatal para o produto que vendemos. Se você é executivo, é claro que não deve aparecer de havaianas em uma entrevista. Mas, se  é surfista, fica meio esquisito  aparecer de terno na televisão. A não ser que esteja recebendo um prêmio.
          A exposição na mídia realmente é impiedosa. Uma vez comprometido o seu visual, possivelmente você ficará marcado para sempre. Por isso, existem tantas pessoas que pedem uma ajudinha para  profissionais que cuidam da imagem, como o personal stylists. Mas, se você não tem dinheiro nem tempo de contratar uma pessoa, aposte no visual tradicional. É muito difícil errar quando se está usando uma roupa clássica.
          Estar na moda muitas vezes é ousar menos, por isso o clássico é a aposta mais acertada. Para os homens com profissões que passam uma imagem mais séria, como médicos, advogados, professores, executivos, o conjunto terno e gravata vem sempre a calhar. Isso não precisa ser regra. Você pode usar apenas a camisa, por exemplo, quando estiver muito calor. Mas ela tem que estar impecável. Uma outra combinação que acredito ser paliativa para quem não quer parecer tão sério é a que o apresentador Pedro Andrade faz. Ele está semanalmente no programa Manhattan Connection sempre muito elegante com um casaco ou terno sobre uma camisa. Sem a gravata! Essa leve ousadia faz da imagem dele  uma pessoa mais leve e descontraída.

                                                       
                                                     
          Quem gosta de inovar também é a primeira-dama dos Estados Unidos, Michelle Obama. Ela não tem medo de mostrar os braços e deu um novo ar para o tradicional tubinho preto. Ela usa decote ponderado e cores vibrantes. Se você, mulher, também se sente à vontade com o seu corpo, por que não? As opções de roupas femininas são intermináveis. A regra para elas é a mesma que para os homens: quer parecer mais séria, use terno e camisa. Quer parecer mais leve, use vestidos comportados, camisas mais soltinhas e até jeans.
          É claro que saias curtas, decotes profundos, estampas grandes, gravatas chamativas não caem bem nem dentro, nem fora do vídeo.  A elegância está na forma como você faz as combinações do seu guarda-roupa, respeitando o próprio estilo.


                                                        

Papo Sustentável


                                                      
  
Semanas atrás participei do Papo Sustentável com um pessoal bem bacana na Nex Coworking. Como o próprio nome diz, papo sustentável fala de sustentabilidade. Mas, não é só aquela coisa de separar o lixo. É algo muito maior. É uma preocupação com a forma como a gente lida com o mundo e o ajuda a torná-lo mais sustentável. E aí, fiquei pensando em como eu lido com o mundo através da comunicação.
Um dos participantes deu um exemplo muito próximo daquilo que acontece com a gente todos os dias. Ele reclamava que havia passado uma situação delicada em um supermercado porque ninguém queria atender um pedido simples dele: levar as compras embora em uma caixa de papelão. Como assim não tem papelão? Como as compras chegaram até o mercado? Em sacolinhas? Achei essa colocação ótima. Mas, o que me chamou mesmo a atenção é o fato de que ele não conseguiu ser ouvido porque todo mundo passou o pedido dele pra frente, como se não tivesse nada a ver com a tal caixa de papelão.
Não lembra um pouco quando a gente liga para o telemarketing e fala com vários atendentes diferentes? Pois, muitas empresas ainda não perceberam que passar o problema pra frente é varrê-lo para debaixo da tapete ou perder dinheiro. Quem disse que eu voltaria em um supermercado em que nem sou ouvida?
Quantas vezes as empresas não escutam os seus clientes?
Então, nesse dia entendi que sustentabilidade lembra um pouco como empatia: como eu me colocaria no lugar do outro. E veja como a comunicação é importante nesse processo. Como vou ser sustentável com o mundo se não sou capaz de perceber as necessidades do outro e de ouvir?
Eu acredito que as pessoas não separam o lixo só porque é bonito. A gente realmente acredita que está fazendo algo de melhor para o planeta. O mesmo acontece com a comunicação. Se eu me comunicar melhor com os meus clientes, amigos, vizinhos, parentes, posso ajudar a tornar o mundo um pouquinho melhor. E sustentável!